o-que-e-hdl-e-ldl.jpeg

O que é HDL e LDL?

Muitas vezes, quando o médico pede para fazermos um exame de sangue, várias substâncias são dosadas, e em muitos casos é possível observar o aparecimento dessas siglas: HDL e LDL, embora poucas pessoas saibam o que ela são e qual o significado clínico delas. Mas antes de falarmos sobre o que é HDL e LDL é preciso voltar ao começo, no colesterol.

A Sociedade Brasileira de Cardiologia considera o colesterol como uma doença grave. É por isso que, ao longo do ano, várias campanhas são lançadas com o intuito de conscientizar a população sobre os riscos dessa doença e também para mostrar como ela pode ser prevenida ou controlada. Neste post vamos explicar o que é HDL, LDL, colesterol e muito mais. Confira!

O que é o colesterol?

O colesterol é um tipo de gordura produzido no organismo, mas também pode ser consumido na alimentação por meio de produtos de origem animal. A presença do colesterol é importante, pois faz parte da composição das células e da bainha de mielina e também é precursor de vários hormônios, da bile, além de metabolizar algumas vitaminas.

Como o colesterol é uma substância gordurosa, ele não se mistura no sangue, e necessita ser transportado juntamente com proteínas produzidas pelo fígado. Essa associação colesterol-proteína (conhecido como lipoproteína) se fragmenta em formas e composições diferentes, e cada uma desses fragmentos é conhecido por uma sigla: VLDL, LDL e HDL, dentre as quais, o HDL e LDL são as que apresentam os significados clínicos mais importantes.

O que são HDL e LDL?

HDL é uma sigla do inglês que significa High-density lipoprotein, ou lipoproteína de alta densidade, enquanto LDL significa Low-density lipoprotein, ou lipoproteína de baixa densidade. O VLDL significa Very-low-density lipoprotein, ou proteína de muito baixa densidade, e exerce uma função semelhante à LDL, diferindo-se apenas na composição de cada uma.

Tanto o LDL quanto o VLDL são responsáveis por transportar a gordura do fígado para os tecidos, e esse processo pode acarretar a deposição desse material nos vasos sanguíneos durante o transporte. Já o HDL é responsável pelo transporte inverso, ou seja, retira a gordura dos tecidos e leva de volta para o fígado para ser metabolizado. Nesse raciocínio, podemos denominar o LDL como colesterol ruim e o HDL como colesterol bom.

Por que é importante fazer a dosagem de colesterol?

Quando fazemos a dosagem dessas frações lipoproteicas no sangue é possível avaliar a quantidade de colesterol circulante. Pelo fato do LDL e do VLDL estarem associados com a deposição de gordura nos vasos sanguíneos, se os seus valores estiverem muito elevados, pode-se suspeitar do risco de formação de uma placa aterosclerótica, que leva à obstrução do vaso sanguíneo. O que justifica o título de colesterol ruim.

Já os valores mais elevados de HDL indicam que a retirada da gordura dos vasos está sendo feita de forma eficiente, exercendo uma função “protetora” e reduzindo o risco de aterosclerose. Fato que justifica o seu título de colesterol bom. Os valores de referência atualmente considerados para o HDL e para o LDL são:

HDL:

  • menor que 40 mg/dL – baixo;
  • entre 41 e 60 mg/dL – normal;
  • maior que 60 mg/dL – alto (ótimo).

LDL:

  • menor que 100 mg/dL – ótimo;
  • entre 101 e 130 mg/dL – normal;
  • entre 131 e 160 mg/dL – normal/alto;
  • entre 161 e 190 mg/dL – alto;
  • maior que 190 mg/dL – muito alto.

Como regular os níveis de colesterol?

De uma forma geral, alterações na dieta e exercícios físicos têm bons resultados no controle dos níveis de colesterol. Procure ter uma dieta rica em gorduras insaturadas (origem vegetal) e evite alimentação com excesso de gorduras saturadas (origem animal) e gorduras trans (como salgadinhos, biscoitos industrializados, sorvetes e margarinas), pois estas potencializam a ação aterosclerótica da LDL.

Os exercícios físicos ajudam a diminuir os níveis de LDL e aumentar os níveis de HDL de forma bastante eficiente pois auxiliam na queima calórica e ativam enzimas que regulam o metabolismo do colesterol.

Já para os casos mais graves, é possível também associar medicamentos a esses dois fatores para fazer o controle das frações de colesterol. Não deixe de procurar o médico e o farmacêutico para obter orientações mais específicas a respeito de cada caso.

Quais são os perigos dos problemas causados pelo colesterol?

O colesterol é um tipo de gordura muito importante para o bom desenvolvimento do organismo, mas ele precisa ser controlado. Tanto o colesterol baixo quanto o alto oferecem sérios riscos à sua saúde.

No caso do colesterol alto, o principal perigo existente é a chance do desenvolvimento de doenças cardiovasculares, que podem colocar em risco a sua saúde. Dentre as principais, podemos listar:

  • infarto;
  • insuficiência cardíaca;
  • aterosclerose;
  • pressão alta.

Esse tipo de doença pode se manifestar a qualquer momento e, se não forem tomados os cuidados necessários, podem levar o indivíduo a óbito. O colesterol baixo, por sua vez, também representa um grande risco ao seu bem-estar. Como o colesterol é encontrado em maior quantidade no cérebro, as baixas taxas podem resultar no comprometimento da sua função cerebral, podendo estimular o pior tipo de AVC.

O colesterol baixo também está correlacionado ao desenvolvimento do Alzheimer, além de também piorar o estado de pacientes que já têm problemas de doenças cardíacas.

Quais são os principais sintomas do colesterol alto e baixo?

Infelizmente, não existem sintomas que possam indicar se você está com o colesterol alto ou baixo. Por isso é importante que você esteja atento ao que pode influenciar no surgimento dessa doença e que comece a se prevenir. Os fatores que influenciam o desenvolvimento do colesterol baixo são:

  • obesidade;
  • alimentação rica em açúcar;
  • alimentação derivada de gorduras trans ou saturadas;
  • sedentarismo.

Já os fatores que auxiliam no desenvolvimento do colesterol alto são:

  • cigarro;
  • diabetes;
  • obesidade;
  • inatividade física;
  • histórico familiar;
  • cirrose;
  • hipotiroidismo;
  • insuficiência renal;
  • alimentação rica em gorduras.

Outros sintomas, como falta de ar, dor de cabeça, palpitação, cansaço e dor no peito podem estar associados a outras doenças que são causadas pelo aumento ou diminuição do colesterol.

Como é possível diagnosticar o problema?

Como o colesterol é uma doença que não apresenta sintomas, ele só pode ser diagnosticado por meio de um exame de sangue. Por isso, é de suma importância que você mantenha os seus exames de rotina em dia, a fim de garantir o seu bem-estar e, se necessário, um tratamento rápido e eficaz para controlar o desenvolvimento da doença.

Lembre-se: quanto mais rápido o diagnóstico, maiores são as chances do sucesso no tratamento. Caso trate-se de uma doença crônica, será possível medicá-lo antes que a patologia se agrave. Portanto, não deixe de fazer seus exames e procure um médico para definir que tipo de tratamento será necessário.

Os riscos que a falta do controle do colesterol apresenta são muitos sérios. Por isso, é indispensável que você cuide da sua alimentação, evite o consumo excessivo de álcool, realize atividades físicas e, acima de tudo, livre-se do cigarro. Essa mudança de hábito vai proporcionar a você uma boa saúde e uma excelente qualidade de vida.

Gostou do texto? Compartilhe em suas redes sociais para que seus amigos saibam o que é HDL e LDL e qual é a importância deles para a saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This