vacina-img-post

Entenda o que é HPV e como se prevenir!

Você sabe o que é HPV? A sigla em inglês se refere ao vírus Papiloma Humano, responsável pela Infecção Infecção Sexualmente Transmissível (IST) mais recorrente no mundo — tão comum quanto o resfriado. No Brasil, atinge mais de 54% dos jovens entre 16 e 25 anos.

Não deixe de acompanhar este post e entenda mais sobre o vírus, as formas de contágio e os principais sintomas, além do tratamento e da prevenção. Vamos lá?

O que é HPV?

Como já dito, é um vírus e provoca uma infecção no organismo. A consequência direta é a diminuição da resistência imunológica, que pode se tornar grave e levar ao desenvolvimento de outros problemas. Existem mais de 100 tipos de HPV, separados em duas classificações: de baixo e de alto risco.

No primeiro caso, normalmente causado pelo HPV-6 ou HPV-11, raramente há complicações sérias. Restringe-se ao aparecimento de verrugas em áreas específicas. Esses sinais costumam regredir espontaneamente ou com o auxílio do tratamento médico.

Já na contaminação de alto risco, há tendência de desenvolvimento de tumores cancerígenos. O câncer de colo de útero está especialmente ligado ao HPV, pois cerca de 70% dos casos são devido aos vírus HPV-16 e HPV-18. Outros subtipos perigosos são o HPV-31 e o HPV-33.

Como ocorre o contágio?

Há a possibilidade de transmissão a partir da doação de sangue de uma pessoa contaminada para uma saudável. No entanto, as ocorrências são muito raras, pois são feitos exames completos antes de uma transfusão sanguínea. Por isso, as principais formas de contágio do HPV são:

  • contato direto: principalmente por meio do sexo desprotegido, mas também por qualquer tipo de toque em áreas do corpo ou objetos contaminados, como toalhas, roupas íntimas e lâminas de depilação;

  • parto: pelo contato do recém-nascido com verrugas genitais contaminadas durante o parto vaginal. Por isso, se a mãe for diagnosticada com HPV nos exames pré-natais, a cesariana é recomendada.

Quais são os principais sintomas?

A maioria das contaminações por HPV permanece latente por muito tempo, isto é, não apresenta sinais. Quando surgem lesões clínicas em decorrência da infecção, costumam se manifestar nas áreas genitais e, menos frequentemente, nas mucosas nasais, orais e laríngeas.

O principal sintoma é o aparecimento de verrugas acuminadas, que lembram o formato de uma couve-flor ou, como são popularmente conhecidas, de uma “crista de galo”. Podem ser únicas ou múltiplas e, em alguns casos, causar coceira local.

Como é o tratamento?

Quando o HPV é de baixo risco e não há o aparecimento de sintomas, o organismo costuma eliminar naturalmente o vírus dentro de alguns anos. Agora, quando surgem as verrugas, é preciso realizar um tratamento clínico para impedir o Papiloma de se espalhar.

Então, pode ser recomendado pelo médico especialista o uso de pomadas e soluções com substâncias para eliminar as lesões ou de microcirurgias de cauterização. Além disso, é comum reforçar o sistema imunológico do paciente, seja com remédios ou com uma dieta balanceada.

Como diagnosticar e prevenir a doença?

Em relação à saúde feminina, a prevenção ou identificação precoce do HPV se dá por meio da realização regular do papanicolau. O exame identifica lesões precursoras no colo do útero para iniciar o tratamento e evitar o desenvolvimento cancerígeno.

A forma mais eficaz de prevenir a doença é a vacinação, encontrada em clínicas particulares para diversas idades. No Brasil, a vacina também está disponível na rede pública de saúde e protege contra os quatro HPVs mais comuns. É restrita a:

  • crianças e pré-adolescentes de 9 a 14 anos, independentemente do sexo ou dos riscos de contágio;

  • pessoas de 9 a 26 anos, desde que sejam portadoras de HIV ou AIDS, estejam em tratamento oncológico ou tenham recebido transplante de órgãos ou de medula óssea.

Por fim, o uso de preservativos é indispensável nas relações sexuais para evitar o contágio por contato direto. Agora que você sabe o que é HPV, lembre-se de que essa é a DST mais comum no mundo. Por isso, mesmo se o parceiro ou a parceira não apresente verrugas genitais, o ideal é utilizar proteção sempre.

Este conteúdo é extremamente útil, concorda? Então, compartilhe o post nas suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This