tire-suas-duvidas-sobre-a-rinite.jpeg

Tire suas dúvidas sobre a rinite

Espirros, coceira no nariz, obstrução das vias respiratórias, coriza e olhos lacrimejantes são reações frequentes no seu dia a dia? Em caso de resposta positiva, você pode ser mais uma vítima da rinite — desconforto originado pela inflamação das mucosas nasais.

Muitos adultos e crianças são afetados por esse quadro clínico. O incômodo ocorre quando partículas alergênicas presentes no ar são inaladas, como poeira, ácaro, fumaça, produtos químicos e pelo de animais. Nessas situações, o sistema imunológico reage para tentar se defender das substâncias estranhas que entram em contato com o organismo.

A rinite alérgica é a forma mais frequente. Sempre que os alérgenos são absorvidos pela cavidade nasal, o indivíduo apresenta reações adversas. Além dela, a rinite vasomotora figura como uma variação incômoda. Nesse tipo, a inflamação do órgão olfativo advém da própria anatomia, ou seja, ela acontece em razão das alterações do nariz.

Se você está interessado em manter sua saúde, continue a leitura para descobrir os fatores, sintomas e o tratamento para essa doença. Confira!

Veja como acontece o processo inflamatório

O nariz é uma das estruturas que compõem o aparelho respiratório. Através das suas aberturas o ar entra nas cavidades, que são revestidas por uma mucosa. Se na atmosfera houver algum componente capaz de provocar reação alérgica em uma pessoa, em poucos minutos essas vias serão obstruídas.

Por consequência, espirros, coceira e secreção nasal são alguns dos sinais manifestados devido à irritação das membranas.

Conheça as causas da rinite

Conforme você deve ter percebido, as substâncias que provocam alergia são as principais motivações da rinite. Entre elas está a poeira doméstica, um dos fatores que contribuem para esse mal.

Os indivíduos sensíveis à rinite também devem evitar ambientes com cheiro forte — como perfume ou desodorante —, fumaça de cigarro, ácaros e outros poluentes. Até mesmo a mudança brusca de temperatura e a baixa umidade do ar podem estimular essa sensação desagradável.

Descubra os principais sintomas da doença

Após o contato com as partículas que causam irritação, os sintomas da rinite se manifestam rapidamente e podem durar horas ou até dias. Veja quais são os principais indicadores dessa inflamação:

  • coriza;

  • espirros contínuos;

  • nariz irritado;

  • obstrução nasal;

  • olhos lacrimejantes;

  • coceira nasal;

  • reação adversa a odores eminentes.

Aprenda a diferença entre rinite e sinusite

Essas duas enfermidades atingem a mesma região do corpo. Por esse motivo, a confusão de diagnósticos é bastante comum. Apesar de uma alteração poder ser responsável pelo surgimento da outra, existem algumas diferenças.

A rinite se caracteriza pela inflamação da mucosa do nariz. Já a sinusite é uma infecção nos seios nasais, gerada por bactérias. Ela ocorre quando o muco presente na cavidade facial não é secretado. Então, surgem dores de cabeça e na face, que indicam o acúmulo de secreção na região.

Fique por dentro dos tratamentos

Distanciar-se totalmente do contato com os agentes que ocasionam a rinite é bem difícil. No entanto, existem tratamentos para controlar a doença e capazes de ajudar o paciente a alcançar o bem-estar.

O primeiro procedimento a ser feito é manter a casa e o ambiente de trabalho livres de poeira. Artigos como tapetes e cortinas devem ser lavados com frequência para não acumularem impurezas. As crianças, por sua vez, têm de evitar ursos de pelúcia.

Se essas medidas não forem suficientes, é necessário recorrer ao médico para uma avaliação. O tratamento pode ser feito com soluções salinas para lavar a cavidade nasal ou com antialérgicos e descongestionantes nasais.

Em situações em que os medicamentos não fazem efeito, a imunoterapia — vacinas com os antígenos que levam a rinite — é o único recurso eficiente.

Bom, agora você já conhece os detalhes relacionados a rinite, certo? Se houver suspeita da doença, procure um clínico geral ou otorrinolaringologista para observação mais aprofundada. Lembre-se: a automedicação pode agravar a situação e aumentar a frequência com que o problema aparece.

Ficou com alguma dúvida? Aproveite o espaço dos comentários e faça sua pergunta. Estamos prontos para ajudar a melhorar sua saúde!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This