qual-a-diferenca-entre-hipotensao-e-hipertensao-arterial-veja.jpeg

Qual a diferença entre hipotensão e hipertensão arterial? Veja!

Você já deve ter presenciado uma situação em que alguém se queixou de tontura, dor de cabeça ou visão embaçada, certo? Possivelmente, essa pessoa foi questionada sobre a hipertensão arterial. Apesar de serem sinais frequentes desse quadro, esses fenômenos também podem indicar a hipotensão.

Para entender o que significa cada um, primeiro, será necessário compreender o que é pressão arterial. Veja só: ao bombear o sangue, o coração exerce uma força sobre as artérias de modo a distribuí-lo. Quando ele se contrai (sístole), a força atinge seu grau máximo. Já na operação contrária (diástole), o músculo cardíaco relaxa e desempenha a pressão mínima.

Existem valores que determinam a normalidade da pressão. Em caso de alterações para mais ou para menos, significa que o paciente está em um estado de hipertensão ou hipotensão, respectivamente. Muitas pessoas confundem esses problemas. Entretanto, é importante diferenciá-los e procurar ajuda médica quando necessário. Acompanhe o artigo e conheça os sintomas de cada um!

O que diferencia a hipotensão da hipertensão arterial?

O método mais seguro para verificar a normalidade ou alteração da pressão arterial é pela aferição manual. Porém, nas situações em que não há um medidor disponível, será necessário fazer a distinção a partir dos sintomas para tomar a decisão certa. Veja como identificar esses dois contratempos.

Hipotensão

Os casos de hipotensão são caracterizados por um valor inferior a 90×60 mmHG. Nessa situação, como o fluxo sanguíneo é baixo, o indivíduo pode queixar-se de tontura, dor de cabeça, enjoo, fraqueza, sonolência e sensação de desmaio.

Hipertensão

A hipertensão arterial é determinada por um valor muito alto. Geralmente, considera-se como normal um número em torno de 120×80 mmHg. Quando esse valor atinge ou ultrapassa a marca de 140×90 mmHG, tem-se um caso de pressão alta.

Esse mal é conhecido como uma doença silenciosa, ou seja, não manifesta sintomas. Quando surgem os indícios, como dor de cabeça, dor no peito, sangramento nasal e tontura, é sinal de que a pressão já está em um nível bem elevado.

Quais são as causas dos problemas?

As motivações para pressão baixa podem estar relacionadas ao tempo de jejum prolongado, à desidratação, a ferimentos que implicam grande perda sanguínea e à dosagem inadequada de remédios para a hipertensão.

No entanto, em algumas pessoas, a hipotensão é uma ocorrência comum, mesmo que não estejam doentes. Em geral, essa condição acontece com atletas, e homens e mulheres com pouco peso.

Já quanto à hipertensão, há uma série de causas que colaboram para o seu surgimento. A alimentação inadequada, o sobrepeso e o sedentarismo são situações típicas que a favorecem.

O consumo exagerado de sal também é um fator relacionado ao aumento da pressão, visto que a substância faz o volume sanguíneo aumentar. Ademais, os fumantes apresentam uma tendência maior à hipertensão. Isso acontece porque os componentes do cigarro, além de afetarem as paredes arteriais, elevam a pressão.

A hipotensão e a hipertensão arterial representam riscos sérios à saúde. Para evitar consequências mais graves, como infarto, AVC ou desmaio, as pessoas que apresentam predisposição devem fazer aferições regulares a fim de controlar o distúrbio.

Gostou do conteúdo? Siga a nossa página no Facebook e acompanhe por lá as nossas publicações que vão ajudá-lo a manter a saúde em dia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This